AINDA BEM”, Lula!

Foto por Pixabay em Pexels.com

“Ainda bem que a natureza, contra a vontade da humanidade, criou esse monstro chamado Coronavírus.”

Luiz Inácio “Lula” da Silva, Maio/2020

O autor da fala acima é um dos “ilustres” condenados por corrupção no Brasil, o senhor ex-presidente Luiz Inácio “Lula” da Silva (Lula), que resolve ser o paladino da verdade suprema, o homem que explica a utilidade do Estado, se utilizando das mortes de pessoas. Para esse brutamontes, o Estado Brasileiro é uma “mãezona” que não amamenta seus filhotes. Defensor de um Estado gigante e abastado, que deve distribuir benecias a quem quer que queira. Em sua gestão, como presidente, presenteou com milhões de reais do pagador de impostos, ditaduras e países amigos, enriquecendo outros e empobrecendo o Brasil.

Ainda bem, Lula! Vivi para ouvi-lo no auge dos seus 74 anos, menosprezar às mais de 17 mil mortes de brasileiros e brasileiras (muitos, seus ex-eleitores e admiradores) por causa do Coronavírus.

Ainda bem, que suas palavras retratam o homem que você é. Um idoso, que no fim da vida, se desfaz ao invés de florescer e ser bom exemplo a ser seguido. Sua sabedoria é inexpressível. Você não precisava disso! Seu silêncio o protege. Suas intenções ocultas produzem menos mal.

Ainda bem, que você não é vítima do cruel vírus, e desejo que nunca o seja.

Me solidarizo, com profundo pesar com as famílias que perderam seus pais, irmãos e amigos e as tantas milhares de vidas, no Brasil e no mundo por causa desse “monstro chamado Coronavírus”. O momento é de consternação e não de falta de empatia como às demonstradas por você.

Ainda bem, você mostrou o quanto ama seu povo, principalmente os que sofrem e esperam mas de você.

Ainda bem, que você revelou seu caráter mesquinho.

Ainda bem, você continuará sendo “amado” por aqueles que julgam você acima de suas atitudes, por aqueles que nunca enxergaram em você uma pessoa de má índole.

Ainda bem, que suas palavras terão pouca repercussão, devido a seletividade que a grande mídia faz, ou pela insignificância delas.

Ainda bem, Lula que a natureza é sempre generosa, apesar do mal que fazemos a ela.

Josinaldo Mariano