“E DAÍ” Jair?

NOTA: Caro(a) leitor(a), o texto a seguir é um protesto pessoal à fala do Exmo. Presidente da República Jair Bolsonaro. Não significa abandono e apoio às boas políticas alavancadas pelo atual governo e sua equipe de ministros as quais acredito e defendo como liberal na economia e conservador nos costumes.

“Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida.” (anônimo)

“E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre”, (Jair Bolsonaro – Presidente do Brasil, Abr,2020)

A contração das preposição de com o advérbio , indica um ponto no espaço que está distante do falante e próximo do ouvinte; indica no discurso, o ponto no tempo quando alguma coisa se iniciou; introduz uma consequência ou resultado que se relaciona com o que acabou de ser mencionado.

Bolsonaro, infelizmente, ao falar “e, daí”, distanciou-se do ouvinte que o indagou e foi antipático com às famílias ilutadas e sofridas vítimas do vírus assassino, desconsiderou o contexto da triste realidade do coronavírus e minimizou sua consequência mortal.

“Lamento”, foi a palavra sensata dita pelo “brutamontes” falante.

“Quer que eu faça o quê?”. Desnuda sua capacidade. Lava às mãos e declara: “eu não sei o que fazer”! Ao invés de dizer, “estamos fazendo tais coisas para combater o coronavírus e diminuir tais mortes.”

O “Messias Bolsonaro” não faz milagres para si, nem conseguiria trazer as milhares de pessoas de volta à vida.

As circunstâncias que proferiu tais palavras foram inadequadas, vindas da boca do representante maior da nação brasileira que ver-se amedrontada e chorando seus mortos.

“E, daí”, Presidente? Aguardaremos outras tantas palavras e atitudes levianas e antipáticas? Retire o “e, daí” e “lamente”. Esse é o sentimento de todos nós brasileiros nesse momento difícil que estamos atravessando. Cadê o bom senso e a empatia com a dor do próximo?

Concluo, meu protesto citando os Conselhos do sábio Salomão: “A língua dos sábios adorna a sabedoria, mas a boca dos tolos derrama a estultícia” (Pv.15.2); “Os sábios entesouram a sabedoria; mas a boca do tolo o aproxima da ruína” (Pv.10.14) e “A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira” (Pv.15.1).

Com pesar, lamento e rogo a Deus que console todos aqueles que perderam seus familiares e ente queridos vítimas do coronavírus.

Por Josinaldo Mariano


Nota: O Blog que pensa o que escreve é apolítico e apartidário. Quaisquer semelhanças é pura consciência. Click aqui